domingo, 30 de março de 2014

10 motivos para toda mulher não ser feminista


Sempre que critico o pensamento de manada feminista e a forma como as feministas impedem a mulher de pensar e se expressar livremente, sou atacada. Muitas feministas dizem que não conheço o feminismo, que eu deveria estudar para entender o feminismo de verdade. Outras dizem que só voto, estudo e me expresso hoje por causa do feminismo, demonstrando a total ignorância da participação da Igreja e do movimento conservador nas conquistas que elas juram ser ganho exclusivo do movimento feminista. Por isso tudo resolvi juntar algumas frases de autoras feministas que resumem bem os motivos pelos quais não sou e jamais serei feminista - ou que qualquer mulher de bom senso deveria levar em conta antes de se denominar adepta do feminismo. Com vocês, 10 motivos para toda mulher não ser feminista, nas palavras das próprias autoras feministas:

1 - "Homens que são acusados injustamente de estupro podem, às vezes, aprender com essa experiência." - Catherine Comins

2 - "No patriarcado, todo filho de uma mulher é seu potencial traidor e também inevitavelmente o estuprador ou explorador de outra mulher." - Andrea Dworkin

3 - "Todo ato sexual, e mesmo o sexo consentido entre um casal no matrimônio, é um ato de violência perpetuado contra a mulher." - Catherine MacKinnon

4 - "Chamar um homem de animal é elogiá-lo. Homens são máquinas, são pênis que andam." - Valerie Solanos

5 - "Todos os homens são estupradores, e isso é tudo que eles são." - Marilyn French

6 - "Quando uma mulher tem um orgasmo com um homem ela está apenas colaborando com o sistema patriarcal, erotizando sua própria opressão." - Sheilla Jeffrys

7 - "Eu sinto que odiar os homens é um ato político honrado e viável." - Robin Morgan

8 - "Uma mulher que faz sexo com um homem, o faz contra a sua vontade, mesmo que ela não se sinta forçada." - Judith Levine

9 - "Quero ver um homem espancado e sangrando, com um salto alto enfiado em sua boca, como uma maçã na boca de um porco." - Andrea Dworkin

10 - "O homem é um animal doméstico que, se tratado com firmeza, pode ser treinado e fazer algumas coisas." - Jilly Cooper

E um 11º motivo, um bônus, escrito por mim mesma: feminismo é o ato de difundir o sexismo e o ódio, chamando isso de igualdade.

E não deixe de acompanhar nossa página no facebook: Garotas Direitas

sábado, 29 de março de 2014

O estupro, a pesquisa do Ipea e a culpabilidade do homem


Na última semana, o Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) divulgou os resultados de uma pesquisa que mostra que a maioria dos entrevistados (quase 60%) acreditam que usar roupas comportadas pode ajudar a evitar estupros. O Ipea, no entanto, não ficou contente com o bom senso demonstrado e resolveu distorcer as coisas, alegando que a maioria das mulheres acreditam que merecem ser estupradas. As conclusões da pesquisa para o Ipea são de que vivemos em um "sistema social que subordina o feminino ao masculino", e que "a violência parece exercer um papel fundamental". É isso mesmo: em um salto mirabolante e ilógico, o Ipea distorceu a conclusão de que se vestir modestamente pode ser uma medida que ajuda a evitar estupros, e conseguiu colocar a culpa de tudo no "sistema", nos homens, e sabe-se lá como -- ainda estou tentando entender como conseguiram chegar a essa distorção tão grotesca -- concluíram que o brasileiro acha que a violência tem um papel fundamental na sociedade, mesmo que 91% dos entrevistados concordem que o homem que bate na mulher deve ir para a cadeia.

Trata-se da velha síndrome de inocentar o bandido e culpar a sociedade, algo que o nosso governo e os militantes de esquerda defendem tão veementemente. O que os jornalistas e os pesquisadores do Ipea que distorceram a pesquisa parecem não entender é que os estupradores são criminosos e predadores, e é por isso mesmo que os estupros nunca vão acabar, pois não podemos contar com o bom senso de psicopatas. Estupradores existem desde que o mundo é mundo, e eles continuarão existindo por todo o futuro da humanidade. Eles sabem muito bem o que estão fazendo, sabem que é errado, mas não se importam. E, assim como quase todo criminoso, eles não se importam com seus direitos, eles não se importam se é ilegal ou errado e eles certamente não se importam se estuprar alguém vai destruir sua vida. Eles se importam apenas com o desejo doente em suas mentes, goste você ou não. Qualquer um que diz que você não deve se preocupar em assumir a responsabilidade pela sua própria segurança está vivendo em um mundo encantado dos contos de fadas -- ou é apenas um mentiroso.
Isso tudo, infelizmente, não nos surpreende. Não é de hoje que o governo e 99% da mídia brasileira parecem viver nesse mundo encantado, constantemente defendendo que todo e qualquer bandido pode ser ensinado e modificado, e que a culpa sempre é da sociedade. Eles arrumam desculpas e formas de inocentar os assassinos dos black blocks, os assaltantes dos rolezinhos, os menores marginais... Por que não achariam uma forma de colocar a culpa do estupro na mentalidade social, em vez de culpar os verdadeiros criminosos, os estupradores? Quando alguém diz que uma mulher deve tomar todas as medidas cabíveis para evitar um estupro, essa pessoa definitivamente não quer dizer que ela merece ser estuprada, muito pelo contrário, ela está dizendo que justamente por não merecer é importante que você tente evitar isso de qualquer forma possível. Qualquer pessoa que não consiga ver essa clara diferença o faz de modo inconsequente e estúpido. Os números indicam, ainda, que zonas iluminadas e movimentadas são menos suscetíveis a ser cenário de estupros, mas isso não equivale a dizer que quem passa por zonas sem iluminação e deserta é culpado se for estuprado ali; é apenas uma medida de precaução aconselhável devido à existência real de um perigo.

A mulher deve procurar proteger-se, seja usando roupas discretas, carregando uma arma ou andando sempre acompanhada. Medidas de proteção são as mais efetivas para combater os estupradores, e provas disso podem ser vistas em estatísticas: em 1979, o departamento de justiça americano averiguou que, quando uma mulher está com uma arma ou com uma faca, apenas 3% dos estupradores conseguiram consumar o estupro.¹ Já em Orlando, a mídia resolveu divulgar uma iniciativa do bem -- em vez de manipular pesquisas -- e difundiu um curso de defesa para mulheres, onde elas aprendiam a usar armas. O resultado foi: a taxa de estupros em Orlando caiu 88%, enquanto se manteve constante nas cidades vizinhas.² E o cuidado é ainda mais necessário no Brasil, onde a justiça é falha e lenta, tornando ainda mais fácil que os estupradores fiquem soltos e impunes, onde o governo coloca o bandido como se fosse um coitado, e a mídia sempre manipula todo e qualquer fato possível para colocar a culpa na sociedade.

Nós mulheres SEMPRE seremos fisicamente mais frágeis do que os homens, nossos corpos foram biologicamente programados para serem mais delicados. Achar que vamos conseguir mudar isso na marra não vai evitar estupros, mas tomar cuidado e exigir que a justiça seja feita, sim. Isso também não dá desculpa a ninguém para tratar todo homem como estuprador em potencial, pois tal generalização é tão doentia quanto a do estuprador que acha que toda mulher pode ser sua vítima em potencial. Eu não sou vítima, os homens não são meus inimigos, e o fato de que existem pessoas doentes que cometem crimes não justifica forçar uma guerra de sexos. Há homens que estupram homens, e nem por isso os homens passaram a se odiar, mas odeiam sim os estupradores. Muitos homens que conheço sugerem medidas radicais contra estupro, como castração química. Até mesmo em ambientes como as prisões brasileiras os estupradores são hostilizados. As mulheres não podem se deixar enganar e culpar “a sociedade” pelos estupros. A culpa é do criminoso e só dele. Devemos fazer o possível para nos protegermos, e não aceitar que ninguém distorça nossas palavras ou manipule nossos pensamentos. Cuidar de si mesma não é merecer estupro, é amor próprio!

¹ U.S. Department of Justice, Law Enforcement Assistance Administration, Rape Victimization in 26 American Cities (1979), p. 31.
² Gary Kleck, "Crime Control Through the Private Use of Armed Force", February 1988, p. 13.

Leia também o texto de Felipe Moura Brasil a respeito: 
http://veja.abril.com.br/blog/felipe-moura-brasil/2014/03/28/a-culpa-do-estupro-nao-e-da-mulher-mas-a-da-confusao-e-da-pesquisa-do-ipea-essa-sim-merece-ser-atacada/